10.12.06



Se um beija-flor pousa e te encara,
encara-o de volta firmemente.
Fita o rosto, o bico, não repara
Não procura uma beleza saliente.

Tenta adivinha o que pensara
pois um passarinho nunca mente.
Não te distraias Não te perturbes
Solidão e frieza são males das urbes
E é a voar Que tu mostra a beleza!

Parado,
és pura reflexão.

Nem pensa em buscar a câmera
Quando voltasse, já lá não estaria
Mesmo que demorasse um instante
Nesse instante é que tua atenção deveria

Estar atenta ao olhar
e a saborear o contato
do momento, de fato
Único. Ao entardecer devagar.